As dores da Alienação Parental: a criança usada para agredir um dos pais

Psicologia |

Texto de Cláudia G. Vidigal. M. de Souza, psicóloga de Pinheiros (SP) e parceira do Nossos Doutores

Compartilhe em suas redes sociais:

O termo alienação parental foi proposto pelo psiquiatra americano Richard Gardner em 1985 e refere-se à situação na qual a mãe ou o pai de uma criança ou adolescente induzem-na a repudiar a figura do outro. É quando existe manipulação no sentido de que se rompam os laços afetivos com o outro genitor, acarretando intenso sofrimento à criança. Esta situação pode acontecer também pela ação de avós ou quaisquer outros responsáveis pela criança.

Em geral a alienação parental ocorre quando a separação dos pais é vivenciada de forma complicada por um deles, ou até mesmo por ambos, e o despreparo emocional que vivem acaba recaindo sobre os filhos, levando-os a expressar um ódio que não é deles, imputando culpas que não deveriam existir, e colocando-os em posição de objeto, para agredir o outro cônjuge.

A alienação parental é uma violência psicológica que compromete profundamente as crianças, fazendo com que sintam-se perdidas e confusas ao terem a sensação de que estão traindo um dos pais ao gostar do outro.

“A alienação parental é uma violência psicológica que compromete profundamente as crianças, fazendo com que sintam-se perdidas e confusas ao terem a sensação de que estão traindo um dos pais ao gostar do outro.”

Cláudia G. Vidigal M. de Souza

Psicóloga - CRP 98.556 - SP

Alienação parental leva a criança a misturar realidade e fantasia

Definida como uma situação de guerra, em que um dos genitores (alienador) incentiva o filho para odiar o outro genitor (alienado) com objetivo de pleitear sua guarda. Neste caso, um dos pais, o que comete a alienação parental, manipula, mesmo que inconscientemente, os fatos, causando muitos prejuízos ao filho, que com o tempo, e com a repetição de verdades completamente distorcidas, não consegue mais discernir realidade e fantasia. É como se o alienador tentasse “implantar” na criança falsas memórias ou falsos conceitos sobre o outro genitor.

De acordo com Marco Antônio Garcia de Pinho, advogado, doutrinador e ativista no combate à Alienação Parental, no Brasil e Exterior, “Em alguns casos, nem mesmo a mãe distingue mais a verdade da mentira e a sua verdade passa a ser ‘realidade’ para o filho, que vive com personagens fantasiosos de uma existência aleivosa, implantando-se, assim, falsas memórias, daí a nomenclatura alternativa de ´Teoria da implantação de falsas memórias”.

A alienação parental e seu impacto nas crianças

O principal prejuízo para a criança que sofre alienação parental é desenvolver uma visão distorcida sobre um de seus pais. Porém, existem outras consequências que devem ser consideradas e acolhidas, entre elas a criação de falsas memórias e sequelas psicológicas graves.

Os prejuízos à criança são inúmeros, entre eles:

Alterações na área afetiva

Depressão infantil, angústia, sentimento de culpa, transtorno de identidade, rigidez e inflexibilidade diante das situações cotidianas, insegurança, medos e fobias, choro compulsivo e sem motivo aparente.

Alterações nas relações pessoais

Dificuldade em confiar no outro, isolamento, dificuldade em fazer amizades, dificuldade em estabelecer relações, principalmente com pessoas mais velhas, devido ao apego excessivo à figura “acusadora”, dificuldades de aprendizado, falta de organização.

Alterações na área da sexualidade

A criança pode não querer mostrar seu corpo, recusar-se de forma anormal a exames médicos e ginecológicos ou sentir vergonha em trocar de roupa na frente de outras pessoas.

Prejuízo à autoestima

Autoconfiança e confiança no outro abaladas, sendo mais propício ao desenvolvimento de patologias graves.

Impactos também ao genitor alienado

O genitor que perde o contato com o filho em uma situação de alienação parental pode também sofrer muito, especialmente quando a alienação acontece por motivos fantasiosos, motivados pelo desequilíbrio do ex-cônjuge. Entre os problemas causados estão:

Desestruturação emocional e comportamental

Sentimentos como depressão, insegurança, baixa autoestima, raiva, ódio, impotência, angústia, agressividade. A fragilização egóica, perda de seu próprio referencial de saúde mental, pensamentos suicidas, somatizações, alterações no apetite e no sono, atitudes impulsivas e agressivas, descontrole emocional são também exemplos deste sofrimento.

Desestruturação profissional e financeira

Falta de atenção e concentração para o trabalho, baixo rendimento em função da baixa autoestima, possibilidade da perda do emprego, perdas financeiras com gastos devido às custas judiciais com os processos, etc.

Desestruturação familiar

Perda do núcleo básico familiar, afastamento do filho, que passa a temê-lo e acusá-lo, perda do direito a visitar a criança, interferência negativa no atual e futuros relacionamentos com cônjuge ou filhos.

A Síndrome da Alienação Parental é classificada como doença!

Criada para proteger os direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, e sancionada no dia 26 de agosto de 2010, a Lei da Alienação Parental, de nº 12.318, prevê medidas que vão desde o acompanhamento psicológico até aplicação de multa, ou mesmo a perda da guarda da criança, a pais que estiverem alienando os filhos. Este é um transtorno gravíssimo, que surge principalmente no contexto das disputas legais sobre a custódia dos filhos.

No Brasil, a alienação parental é definida como a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente, promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este.

A alienação parental está prevista também como “interferência na formação psicológica” pela Lei 13.431, de abril de 2017, que identifica o ato de alienação parental como forma de violência.

Encontre agora um Psicólogo perto de você

 

A Síndrome da Alienação Parental é classificada como doença!

Recentemente a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu a Síndrome da Alienação Parental (SAP) como uma doença, inserida desde junho de 2018, na 11ª edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID).

A atuação de um psicólogo para estes casos, para todos os envolvidos, pode fazer enorme diferença para que se possa retormar o convívio normal e saudável da criança com o genitor alienado.

Em se tratando de uma doença, o acompanhamento psicológico à criança, ao alienador ou ao alienado deve ser visto como uma ferramenta importante para que se possa restabelecer dinâmicas de relacionamento minimamente saudável entre os envolvidos.

Um processo de separação, por si só, costuma ser bastante doloroso, tanto para a criança como para o casal. Adicionar a este estresse emocional as distorções envolvidas na alienação parental torna-se uma carga extra, da qual se deve tentar poupar as crianças.

Como é o trabalho do psicólogo nestes casos?

O acompanhamento psicológico, diante de casos que envolvem a alienação parental, tem como foco o apoio, a mediação, o aconselhamento, a orientação, encaminhamentos e prevenção dentro do seu contexto de trabalho, de todos os membros envolvidos.

Por meio de entrevistas e utilização de instrumentos psicológicos, pretende-se o acolhimento de todas as partes envolvidas, bem como a compreensão de forma aprofundada da dinâmica familiar dos avaliados (comportamento da criança, do pai, da mãe e de outros membros familiares envolvidos).

O trabalho do psicólogo nestes casos, visa oferecer espaço de olhar e de escuta atenta que não culpabiliza e, por isso, promove reflexão aos pais a respeito de suas atitudes e suas possíveis repercussões na vida do filho, a fim de alcançar uma reorganização familiar mais saudável para todos os envolvidos, principalmente para a criança.


Compartilhe em suas redes sociais:

Conheça os profissionais que participaram deste artigo:

Cláudia Gesserame Vidigal Mendes de Souza - Psicóloga - Pinheiros, São Paulo.

Cláudia G. Vidigal M. de Souza
Pinheiros, SP
CRP 98.556 – SP

Leia também:
Médico por preço acessível

Seu doutor particular perto de você, por um preço que no seu bolso.

Psicólogos, Médicos, Dentistas Fisioterapeutas, Nutricionistas e Fonoaudiólogos

Consultas particulares agora cabem no seu bolso e estão bem perto de você.

Encontre já seu médico, psicólogo, dentista, nutricionista, fonoaudiólogo ou fisioterapeuta.

Sobre o Nossos Doutores

Com o Nossos Doutores, pacientes sem convênio podem agendar consultas particulares com médicos, psicólogos, dentistas, nutricionistas, fonoaudiólogos e fisioterapeutas, a preços acessíveis, usando critérios de localização, especialidade e agenda disponível. São centenas de profissionais em São Paulo e Grande SP. Não é convênio e não há mensalidades. O uso pelo paciente é gratuito: ele paga somente a consulta realizada, diretamente ao profissional que o atendeu. As consultas são realizadas no consultório particular do doutor escolhido pelo paciente.

(11) 95978-1941

 

Todas as informações aqui apresentadas têm objetivo meramente informativo, não pretendendo, em tempo algum, substituir as orientações e diagnósticos de profissionais da saúde, ou servir como indicação para qualquer tipo de tratamento. Somente o profissional da saúde poderá indicar, iniciar, alterar ou interromper tratamentos. NUNCA tome medicamentos sem orientação médica.

Logo - Nossos Doutores

Receba nossas novidades!

Tudo sobre sua saúde física, mental e emocional, com o olhar humano e atento dos Nossos Doutores.

Obrigado! Seu e-mail foi cadastrado!