Gastrite Nervosa: as emoções também merecem cuidado

Medicina, Psicologia |

Compartilhe em suas redes sociais:

Também conhecida como Dispepsia Funcional, a Gastrite Nervosa pode ser considerada uma variante da gastrite, uma doença do estômago que, apesar de não estar associada à inflamação da mucosa do estômago (como a gastrite “clássica”), provoca essencialmente os mesmos sintomas, mas com a diferença de que sua origem está nas questões emocionais.

Em tempos de insegurança generalizada, violência, excesso de trabalho, perdas financeiras, mudanças na estrutura familiar, entre outros, é inegável que o ser humano fica mais exposto às variáveis que contribuem para o aparecimento do estresse, e a vida desta forma deixa marcas também na saúde da população. A gastrite nervosa é uma destas marcas.

Sintomas da “Gastrite Nervosa”, ou Dispepsia Funcional

A expressão “gastrite nervosa” é um nome popularmente usado e bastante comum, mas não existe uma definição precisa na medicina para o seu real significado.

O gastroenterologista Cláudio Begueldo, parceiro do portal Nossos Doutores na região da Vila Clementino (SP), explica que “o termo Gastrite Nervosa habitualmente é usado quando o paciente apresenta sintomas muito parecidos com os da gastrite, mas não necessariamente exibe alterações inflamatórias gástricas propriamente ditas. Nestes pacientes, os sintomas estão relacionados a problemas emocionais, ainda que sejam iguais aos da gastrite”.

Nestes casos, destaca o especialista, mesmo que o indivíduo apresente todos os sintomas de gastrite, em geral tem-se o quadro de Dispepsia Funcional, que surge justamente em decorrência de situações de estresse ou nervosismo. Esse quadro pode, inclusive, ser crônico.

Este confusão é bastante comum, mas é importante termos claro que condições de estresse ou ansiedade NÃO causam gastrite, mas podem causar os sintomas de gastrite ou aumentar a intensidade dos sintomas, no caso de uma gastrite já existente.

“O termo ‘Gastrite Nervosa’ habitualmente é usado quando o paciente apresenta sintomas muito parecidos com os da gastrite, mas não necessariamente exibe alterações inflamatórias gástricas propriamente ditas. Este quadro é chamado de Dispepsia Funcional.”

Cláudio Begueldo

Gastroenterologista - CRM 30.265-SP

Os sintomas da Dispepsia Funcional costumam ter como gatilhos as situações de estresse emocional significativo, tensão, ansiedade, medo ou irritabilidade.

Quando o organismo fica exposto a estados de tensão e alerta contínuos, acontece o aumento dos níveis de hormônios como a adrenalina e cortisol, que, entre outros efeitos, afetam o funcionamento do sistema digestório.

É comum que em situação de ansiedade e estresse as pessoas sintam um ou mais dos sintomas abaixo:

Sintomas comuns da Dispepsia Funcional (Gastrite Nervosa)

 

  • Forte queimação ou dor na região do estômago
  • Azia
  • Náuseas e vômitos
  • Sensação desagradável de plenitude após refeições ou sensação do estômago estar distendido.

Como saber seu tenho Gastrite ou Gastrite Nervosa?

A médica Amanda do Val Anderi, que é Clínica Geral, Médica da Família e Comunidade e parceira do portal Nossos Doutores em Santo André (SP), reforça que “a gastrite é uma inflamação da parede do estômago causada por diversos fatores. Mais importante do que definir se a gastrite é “nervosa” ou não, é tratar as causas do problema, que geralmente são erros alimentares e ansiedade. Nós somos um conjunto de todos os órgãos e todos se conectam diretamente”.

Ela destaca também que “o diagnóstico de gastrite depende de muitos fatores, como idade, sintomas, sinais de alarme e muitas vezes não precisa de exames complementares. O mais importante é modificar os hábitos e prevenir”.

Um Clínico Geral ou um Gastroenterologista são os profissionais que fazer o diagnóstico e indicar os  tratamentos adequados para cada paciente.

Vale lembrar que, em se detectando que a situação do paciente está agravada por um quadro de estresse ou ansiedade, poderá ser indicado também o acompanhamento de um psicólogo ou psiquiatra.

“Mais importante do que definir se a gastrite é “nervosa” ou não, é tratar as causas do problema, que geralmente são erros alimentares e ansiedade. Nós somos um conjunto de todos os órgãos e todos se conectam diretamente.”

Amanda do Val Anderi

Clínica Geral e Médica da Família e Comunidade - CRM 162.287-SP

Encontre um médico Clínico Geral perto de você

 

A alimentação e a Gastrite Nervosa

Hábitos alimentares saudáveis são fundamentais para a manutenção da saúde e promovem a tão desejada sensação de bem-estar. Alimentar-se com inteligência é ainda mais recomendado se a pessoa sofre de algum tipo de gastrite ou dispepsia funcional – sejam elas ligadas ao estresse ou não.

Estas mudanças de hábitos podem promover uma vida mais saudável em vários aspectos, além da rápida redução do desconforto gástrico.

5 alimentos indicados para quem sofre de gastrite (nervosa ou não)

Chás de camomila, hortelã, boldo e alecrim

Ervas que em forma de infusão são consideradas grandes aliados da boa digestão por terem propriedades terapêuticas. Diminuem a acidez do estômago, atenuando dores, azias e gases. São calmantes digestivos.

.

Alimentos com lactobacilos

A ingestão de lactobacilos é importante para povoar o estômago com bactérias benéficas, que podem ajudar a manter a flora intestinal sadia. Lactobacilos podem ser encontrados em iogurtes fermentados, queijos, chocolates, leite, e até mesmo vendidos em pó.

Hortaliças

Todas são indicadas e devem ser ingeridas nas principais refeições. Legumes e verduras podem ser comidos in natura ou refogados, especialmente brócolis, couve, couve-flor e couve de Bruxelas, que possuem uma substância capaz de combater a bactéria Helicobacter pylori, que pode estar presente nos casos de gastrite. Recomenda-se também a ingestão de repolho, escarola e alface.

.

Frutas não-ácidas

Em estado natural ou como sucos, as frutas que não sejam muito ácidas podem ser ingeridas até 5 vezes ao dia. As mais recomendadas são a maçã, a laranja lima, a banana, o mamão, o melão e a pera. Frutas em geral são ricas em fibras, têm propriedades diuréticas e substâncias antioxidantes, que são muito benéficas para a saúde estomacal.

Carnes magras

As carnes brancas, como as de frango e dos peixes, desde que não sejam muito gordurosas, assim como as carnes vermelhas magras, podem e devem ser consumidas. A preferência é que sejam grelhadas, assadas ou cozidas, evitando-se qualquer tipo de fritura.

.

Encontre um Gastroenterologista perto de você

 

5 dicas para quem tem Gastrite ou Dispepsia Funcional (a “Gastrite Nervosa”)

Veja abaixo algumas dicas úteis que podem ajudar a reduzir os sintomas gástricos:

Evite certos alimentos

 

Embora a gastrite nervosa tenha mais a ver com o estado emocional da pessoa do que com a alimentação, é sempre bom ficar longe de alguns alimentos que sabidamente irritam mais facilmente a mucosa gástrica: alimentos fritos ou muito gordurosos, que necessitam de uma digestão mais intensa; temperos e condimentos muito fortes; alimentos excessivamente quentes, que dilatam os vasos e podem piorar uma eventual inflamação; bebidas alcoólicas, café, excesso de doces, entre outros. Os hábitos alimentares pode fazer grande diferença na melhora dos sintomas.

A dependência do cigarro, além dos efeitos negativos mais óbvios sobre o aparelho respiratório, tem também implicações emocionais e no aparelho digestório. Em fumantes, os sintomas da gastrite em geral pioram, pois a produção de ácido no estômago aumenta consideravelmente. O indivíduo fica agitado ou nervoso até que possa acender o seu próximo cigarro, em seguida sente-se saciado por alguns instantes, para logo depois sentir novamente nervosismo e ansiedade. É um círculo vicioso negativo, que só gera mais ansiedade e piora os sintomas.

Não fume 

Procure comer a cada 3 horas

Um indivíduo que esteja com seu estado emocional alterado pode sentir perda de apetite. Porém, ficar muito tempo em jejum pode piorar o quadro da gastrite. É recomendada a ingestão moderada de alimentos, que podem ser pequenos lanches entre as principais refeições, a cada 3 horas, pois o alimento ingerido, além de deixar a pessoa mais saciada e menos ansiosa, funciona como uma barreira física entre o ácido clorídrico produzido pelo estômago e sua mucosa, diminuindo os sintomas da gastrite, seja ela nervosa ou não.

A digestão dos alimentos leva um certo tempo e é recomendado que se aguarde pelo menos 2 horas para dormir depois de consumi-los. Frutas são digeridas mais rapidamente, (em cerca de 30 minutos), mas as proteínas, carboidratos e gorduras podem levar de 2 a 4 horas. O sono diminuir a velocidade do metabolismo e o funcionamento do aparelho digestivo torna-se mais lento. Com isto, a absorção dos alimentos não ocorre com a mesma velocidade que ocorreria em vigília, acentuando quadros de gastrite e desconforto abdominal.

Respeite o tempo da digestão

Evite goma de mascar

A mastigação funciona como um “sinal” para o estômago, de que a pessoa está se alimentando. Com isto, o estômago começa sua produção normal de ácido, “à espera” da chegada do alimento. Porém, quando se consome gomas de mascar, o “alimento” não é engolido. Isto leva ao acúmulo de ácido no estômago, podendo aumentar consideravelmente as chances de uma irritação da mucosa gástrica e os sintomas de gastrite.

Gastrite Nervosa: um Psicólogo pode ajudar

O próprio nome indica que a Gastrite Nervosa está intimamente relacionada a quadros de irritação, impaciência, ansiedade, angústia, estresse e oscilações de humor. Por isso, lidar melhor com estas questões deve ser sempre o ponto de partida.

O acompanhamento de um psicólogo pode ajudar o paciente a identificar, trabalhar e resolver a verdadeira causa dos problemas emocionais, que geram os sintomas da gastrite nervosa.

Os problemas emocionais podem ser questões pontuais ou mais profundas, que devem ser tratadas para que a pessoa consiga organizar sua própria rotina de forma mais forma tranquila, e que aprenda a lidar melhor com o estresse – além dos óbvios benefícios sobre outros problemas de saúde que também podem estar relacionados ao estresse, como diabetes, problemas cardiovasculares, neurológicos, psiquiátricos, entre outros.

Encontre agora um Psicólogo perto de você

 

Buscando a solução correta para o problema certo

Ainda que o acompanhamento psicológico possa ser de grande ajuda – mesmo em casos em que a Gastrite está comprovadamente presente, lembre-se que o diagnóstico definitivo requer uma avaliação médica, feita por um clínico geral ou um gastroenterologista.

O objetivo é que, conhecendo exatamente o quadro do paciente, indique-se o tratamento adequado. A Gastrite (seja ela nervosa ou não) pode comprometer significativamente a qualidade de vida das pessoas. A avaliação cuidadosa e o compromisso em seguir os tratamentos indicados – mesmo que isto signifique rever a própria vida, hábitos e mentalidades – podem realmente levar a uma melhora do quadro.

E, especificamente, no caso da gastrite nervosa, pode levar o paciente não apenas a resolver o desconforto gástrico, mas também lidar melhor com as próprias emoções e com a dinâmica da própria vida.

Agende agora uma consulta particular perto de você:

Compartilhe em suas redes sociais:

Conheça os profissionais que participaram deste artigo:

Cláudio Begueldo - Gastroenterologista - Vila Clementino, São Paulo - SP

Cláudio Begueldo
Gastroenterologista
Vila Clementino, São Paulo – SP
CRM 30.265-SP

Amanda do Val Anderi - Clínica Geral e Médica da Família e Comunidade - Santo André, SP

Amanda do Val Anderi
Clínica Geral e Médica da Família e Comunidade
Santo André, São Paulo – SP
CRM 162.287-SP

Leia também:

Siga-nos nas redes sociais:

Médico por preço acessível

Seu doutor particular perto de você, por um preço que no seu bolso.

Psicólogos, Médicos, Dentistas Fisioterapeutas, Nutricionistas e Fonoaudiólogos

Consultas particulares agora cabem no seu bolso e estão bem perto de você.

Encontre já seu médico, psicólogo, dentista, nutricionista, fonoaudiólogo ou fisioterapeuta.

Sobre o Nossos Doutores

Com o Nossos Doutores, pacientes sem convênio podem agendar consultas particulares com médicos, psicólogos, dentistas, nutricionistas, fonoaudiólogos e fisioterapeutas, a preços acessíveis, usando critérios de localização, especialidade e agenda disponível. São centenas de profissionais em São Paulo e Grande SP. Não é convênio e não há mensalidades. O uso pelo paciente é gratuito: ele paga somente a consulta realizada, diretamente ao profissional que o atendeu. As consultas são realizadas no consultório particular do doutor escolhido pelo paciente.

(11) 95978-1941

 

Todas as informações aqui apresentadas têm objetivo meramente informativo, não pretendendo, em tempo algum, substituir as orientações e diagnósticos de profissionais da saúde, ou servir como indicação para qualquer tipo de tratamento. Somente o profissional da saúde poderá indicar, iniciar, alterar ou interromper tratamentos. NUNCA tome medicamentos sem orientação médica.

Logo - Nossos Doutores

Receba nossas novidades!

Tudo sobre sua saúde física, mental e emocional, com o olhar humano e atento dos Nossos Doutores.

Obrigado! Seu e-mail foi cadastrado!