Mãe, Mulher e Profissional: A Depressão nas “Supermulheres”

7/04/2018 | Psicologia

Compartilhe em suas redes sociais:

Quando se é Mãe, Mulher e Profissional, o dia se torna mais curto. A mulher vê-se obrigada a fazer mil coisas ao mesmo tempo, tomar decisões por si e pela família, organizar, planejar, arrumar, supervisionar, atender a expectativas de muita gente, todas as mesmo tempo. Se isto tudo já é naturalmente difícil, torna-se praticamente impossível quando se tem como companhia a Depressão.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a Depressão afeta 4,4% da população mundial. No Brasil, 5,8% da população (11,5 milhões de pessoas) sofrem com a doença, o que faz de nós o “povo mais deprimido” da América Latina. A julgar pelos mais de 18% de crescimento da doença no mundo em 10 anos, é fácil acreditar que o número de pessoas com depressão vá continuar a subir.

A depressão coloca a pessoa em um estado de tristeza persistente e incapacidade de realizar atividades diárias. Quem sofre de depressão apresenta perda de energia, alterações no apetite, alterações de sono, ansiedade, dificuldades de concentração, indecisão, sensação de inutilidade, culpa e completa desesperança, e pode ter pensamentos suicidas ou de autolesão.

Mas por que as mulheres são mais propensas a sofrer com a depressão?

O relatório “Depressão e outros distúrbios mentais comuns: estimativas globais de saúde” da OMS aponta que a maioria das pessoas que vivem com depressão são mulheres: para cada homem com depressão, duas mulheres sofrem com a doença.

A ciência ainda não sabe explicar os motivos que levam a essa diferença significativa, mas existem algumas hipóteses. Entre elas, estão as questões biológicas, que têm grande impacto no cotidiano da mulher, como o período menstrual e suas alterações hormonais, a menopausa, a gravidez, etc.

Outra hipótese é o papel social feminino e questões como a dupla jornada encarada por muitas mulheres, que se veem diante da necessidade de conciliar os afazeres domésticos com a atividade profissional e com a maternidade.

Outras questões que contribuem para o desenvolvimento da depressão nas mulheres são as que envolvem a imagem corporal, a educação – muitas vezes ainda é baseada em regras machistas -, a maior incidência de violência sexual e doméstica, e a desigualdade de gênero.

Buscando um psicólogo perto de você?

Quantas horas cabem em um dia?

Uma queixa muito comum da vida moderna, em qualquer sexo, é a necessidade de fazer muitas coisas ao mesmo tempo: você precisa ser um profissional competente, um excelente pai ou mãe, lidar com as expectativas da sua família e cônjuge, estar por dentro das últimas notícias, cuidar da aparência, saúde, entre tantas outras responsabilidades, que fazem com que as 24 horas do dia pareçam insuficientes.

E ninguém duvida que as mulheres – que são naturalmente mais “multitarefa” que os homens – acabam sendo mais pressionadas: porque muitas vezes a vida exige delas um número maior de papéis diferentes do que deles. A frustração por não “conseguir dar conta” de todos esses papéis favorece o aparecimento de distúrbios de ansiedade e depressão entre as mulheres.

Mãe, Mulher e Profissional: desafio ainda maior quando vêm os filhos

A maternidade é um sonho para grande parte das mulheres, e, sem dúvida, gera sensações únicas e quase indescritíveis de amor e prazer. Porém, os filhos exigem dedicação integral da mãe, e a consciência de que a vida mudará bastante! É tarefa árdua manter, com a maternidade, a vida pessoal, a familiar e social em equilíbrio e harmonia!

Ser mãe implica em assumir diversos papéis e funções, como proteção, estimulação, alimentação, ensinamentos, etc e, com isso, adquirir diversas responsabilidades novas e simultâneas. Isto por vezes pode resultar em uma sobrecarga emocional muito grande.

Se a mãe não estiver estável, pode ter afetada sua saúde emocional e mental, interferindo diretamente na sua capacidade de prover cuidados parentais satisfatórios, afetando a vida de seus filhos.

Mães estressadas tendem a ter filhos estressados. Afinal, a influência que exercem sobre seus filhos é imensa e tem papel fundamental no seu desenvolvimento.

É importante reconhecer que uma rotina estressante costuma ter um grande impacto no comportamento dos filhos, que podem desenvolver desvios de comportamento, tornando-se agressivos, ansiosos ou tristes – o que pode até mesmo afetar seu desempenho escolar e habilidades sociais.

Absorver-se nas tarefas

A figura da mãe representa um porto seguro para os filhos. E, quando eles percebem que ela está abalada, podem sofrer com mais intensidade a dor da mãe, do que se fosse seu próprio problema.

Infelizmente, essa necessidade de manter um aparente equilíbrio, inclusive para poder poupar os filhos de uma angústia, só tende a torná-la ainda mais ansiosa.

Com isto, absorvida pelas tarefas do dia a dia e com pouco tempo para olhar para os próprios problemas e emoções, o quadro de angústia crônica e depressão se instala.

Cuidar da mulher que é mãe

Se você sente um aperto no peito que torna até mesmo sua respiração difícil, somada a um cansaço, um desânimo, um vazio, saiba que não está sozinha! Milhares de mães passam por isso, e às vezes a situação sai do controle.

Os filhos crescem e as responsabilidades e preocupações também aumentam, por vezes dificultando ainda mais o cuidado consigo mesma. Essa mãe passa a ter dificuldade em perceber onde termina a mãe e começa a mulher. Algumas se anulam como mulheres. Isto afeta sua autoestima, sua criatividade, sua libido e sua motivação para uma vida mais plena, gerando uma enorme insatisfação pessoal e, em não raros casos, uma depressão.

Quando é hora de buscar ajuda?

Quando você perceber que seu foco está maior nas coisas ruins do que nas boas; quando perceber que sua percepção está distorcida, fazendo com que qualquer mínima situação que saia da rotina (e na maternidade sair da rotina é a coisa mais normal) se torne uma grande catástrofe; quando sentir que “não vai dar conta”, fique alerta: pode ser o momento de buscar uma ajuda profissional.Se você tem experimentado essa montanha russa emocional, em que uma hora está tudo bem, e na outra não está mais, se sente um medo terrível do futuro, de deixar seus filhos saírem de casa, se tem dificuldade para dormir, ou se dorme demais, é possível que você esteja sofrendo de depressão ou de ansiedade.A depressão é uma doença complexa e exige muita força de vontade e comprometimento para ser resolvida, mas é possível.A maternidade não é fácil, e no decorrer do processo é comum precisar de ajuda especializada para encontrar o equilíbrio emocional. O acompanhamento psicológico pode ser essencial à mulher, em especial às mães, que podem se abrir a uma nova perspectiva e à oportunidade de se redescobrir e aproveitar um espaço em que ela novamente será protagonista de sua própria história – sem diminuir a importância dos filhos.

Buscando um psicólogo perto de você?

Depressão Pós-Parto: Culpa e Angústia

Talvez você sempre tenha desejado ser mãe, por isso, nesta fase, é ainda mais difícil a mulher entender que, embora devesse estar muito feliz, está triste, sem paciência, melancólica, sensível e com baixa autoestima.Após o nascimento dos filhos, as mães podem enfrentar um processo de instabilidade emocional que, em alguns casos, pode originar a Depressão Pós-Parto. Essas mães podem sentir dificuldade em criar um vínculo com o bebê.Muitas vezes, a responsabilidade unilateral, a falta de experiência, complicações durante a gestação ou no momento do parto, problemas com a saúde do seu bebê, podem ser grandes estressores das mães, e podem desencadear sintomas de depressão em mulheres mais vulneráveis, mesmo que elas não se reconheçam como tais.O bebê nasceu lindo, cheio de saúde, mas tudo o que ela consegue sentir é culpa. Culpa e angústia. E fica desejando sua vida anterior de volta.

Depressão ou Melancolia?

Os sintomas da Depressão Pós-Parto são comuns em cerca de 10% a 15% das mães no primeiro ano de vida dos filhos. Mas é importante diferenciar esses casos do chamado “Blues Puerperal”, a “melancolia pós-parto”, que costuma ter duração curta, até 2 semanas após o nascimento, e que também gera um quadro de tristeza e choro, ainda que sem motivo aparente, e mesmo que esteja tudo bem com o bebê.A Melancolia Pós-Parto, no entanto, é mais curta e menos séria do que a Depressão Pós-Parto. Passadas duas semanas do parto, depois que os níveis hormonais voltaram à normalidade, é de se esperar que a melancolia tenha passado. Para algumas mulheres, o quadro persiste e pode evoluir para uma condição muito mais séria, que é a Depressão Pós-Parto.Infelizmente, metade das mulheres que se veem nesta situação sofrem em silêncio, sem diagnóstico ou tratamento. Entre os motivos está a vergonha e a sensação de culpa por não se sentirem felizes, como se esperaria que uma mãe se sentisse com a chegada de um novo filho.Essa vergonha leva essas mulheres a sofrerem caladas e, sem o devido tratamento, esses quadros de Depressão Pós-Parto podem se tornar mais longos e afetar a vida da mulher por muitos anos.

Vamos conversar? A Depressão tem tratamento

A depressão é um estado mental em que se perde a fé e as esperanças. Não permita que ela te vença. As coisas podem parecer muito ruins quando se está no meio do processo depressivo ou numa crise de ansiedade, mas acredite: vale a pena buscar ajudar e sair desse quadro de desamparo. Com certeza você terá dias muito melhores. Encare isto como uma fase, um momento de crescimento para se exercitar a resiliência e restabelecer o foco.

Não há motivo melhor para a recuperação do estado emocional de uma mãe do que o amor dela pelos filhos e, igualmente, o amor deles pela mãe. É possível voltar a ser feliz, ter amigos, interagir, ter ânimo para viver e para cuidar de si com o mesmo amor que se cuida dos outros.

Segundo a OMS, a Depressão é a principal causa de problemas de saúde e incapacidade em todo o mundo. No entanto, o estigma e preconceito que envolve as doenças emocionais e mentais, impede que muitas pessoas tenham acesso aos tratamentos que poderiam levá-las a viver de forma saudável e produtiva. Por isso, em 2017 a OMS lançou campanha “Vamos conversar”, com o objetivo de levar mais pessoas com depressão, em todo o mundo, a buscar ajuda.

Todos necessitamos de cuidados com nossa saúde mental – até mesmo as “Supermulheres”, mães, profissionais, namoradas e esposas, que se desdobram para dar conta do que a vida lhes exige. Se você é uma delas, entenda que você não está sozinha, e que o tratamento existe – e pode mudar sua vida.

Compartilhe em suas redes sociais:
Leia também:
Médico por preço acessível

Consultas particulares perto de você, por preços que cabem no seu bolso.

Psicólogos, Médicos, Dentistas Fisioterapeutas, Nutricionistas e Fonoaudiólogos

Marque sua consulta particular perto de você, por um preço que cabe no seu bolso.

Encontre já seu médico, psicólogo, dentista, nutricionista, fisioterapeuta ou fonoaudiólogo. Mais de 500 profissionais da saúde em 40 cidades.

Sobre o Nossos Doutores

Com o Nossos Doutores, pacientes sem convênio podem agendar consultas particulares com médicos, psicólogos, dentistas, nutricionistas, fonoaudiólogos e fisioterapeutas, a preços acessíveis, usando critérios de localização, perfil do profissional, especialidade e agenda disponível. Não é convênio e não há mensalidades. O uso pelo paciente é gratuito: ele paga somente a consulta realizada, diretamente ao profissional que o atendeu. As consultas são realizadas no consultório particular do doutor escolhido pelo paciente. Acesse nossa página Quem Somos para saber mais.

Todas as informações aqui apresentadas têm objetivo meramente informativo, não pretendendo, em tempo algum, substituir as orientações e diagnósticos de profissionais da saúde, ou servir como indicação para qualquer tipo de tratamento. Somente o profissional da saúde poderá indicar, iniciar, alterar ou interromper tratamentos. NUNCA tome medicamentos sem orientação médica. Para mais informações, acesse nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.